Crítica | Jojo’s Bizarre Adventure: Stone Ocean

Jojo’s Bizarre Adventure: Stone Ocean chegou na Netflix!

Hoje estreou no canal de streaming Netflix os 12 episódios iniciais da parte 6 (ou 5, conforme consta no seu catálogo) de Jojo’s Bizarre Adventure: Stone Ocean (apesar de não termos previsões ainda de quanto o arco Golden Wind estará disponível no Brasil).

Fiel ao mangá, o arco conta a história de Jolyne, filha de Jotaro, e primeira Joestar mulher da linhagem a ter um Stand, em sua saga na penitenciária Green Dolphin na qual cumpre pena de 15 anos por um crime de assassinato que não cometeu. Recebe então seu pai um pingente que acorda seu Stand para que sua filha possa lutar contra os discípulos de Dio.

A produção ficou por conta do estúdio David Productions, como tem acontecido em todos os arcos e a dublagem ficou novamente por conta da UniDub, logo as vozes seguem as mesmas dos arcos anteriores, com alguma adições como Patt Souza como Jolyne, Tatiane Keplmair como Hermes Costello e Vii Zedek como Foo Fighters, vozes já conhecidas dos animes por aqui.

Algumas curiosidades sobre a série no Japão é que Ai Fairouz, voz original de Jolyne Kujoh é fã da série e desejava há tempos ter uma participação nas vozes do anime, sendo então convidada para dublar a personagem principal.

Também a vocalista da banda Kishida Kyoudan & The Akeboshi Rockets, responsável pela música de abertura da animação intitulada com o mesmo nome do arco, “Stone Ocean”, revelou ser fã da série criada por Hirohiko Araki.

Mas é bom?

A impressão que fica destes primeiros 12 episódios é incrível: não apenas há uma fidelidade característica dos outros arcos em relação ao mangá (com exceção de algumas cores que sempre são mudadas), mas também a volta da abertura em animação 3D foi uma surpresa agradável.

A escolha dos temas de abertura e encerramento também foi pontual e nada deixam a desejar em relação aos outros arcos. Nomes de personagens e Stands foram obviamente censurados aqui no Brasil e da versão em inglês por motivos de copyright, mas nada que os fãs já não esperassem.

Ainda não se sabe quantos episódios serão ao total, mas acredito que pelo andar da carruagem teremos uma quantidade de episódios similar a do arco Diamond is Unbreakable, e devemos seguir sem grandes alterações na narrativa em relação ao mangá.

Artigos Relacionados

Comentários