Crítica | Burning Kabaddi: pega-pega em anime

Mesmo com os receios em relação a epidemia de COVID-19, que assola o mundo inteiro, o Japão deu inicio as Olimpíadas de Tokyo 2020. E esportes é algo que também não falta a representação dentro dos universo dos animes e mangás. Dentre estes o chamado Kabaddi, um esporte milenar pouco conhecido no ocidente, mas muito divulgado no oriente. E embora não esteja presente nas olimpíadas, para aproveitar a onda esportiva e como sempre falamos aqui de cultura otaku, trago o review de mais uma animação que vêm mostrar ao mundo inteiro esse esporte tão diferente e incrível.

Sobre a obra

O anime começa apresentando as funcionalidades do jogo. O primeiro episódio é nada mais que uma introdução ao esporte chamado Kabaddi, que nos é apresentado no anime como um exemplo de “pega-pega” com regras mais delimitadas, até porque o esporte é muito pouco conhecido logo essa referência já entrega uma boa noção de como é a funcionalidade do jogo.

Na história acompanhamos Tatsuya Yogoshi, que era um famoso jogador de futebol, conhecido como o “Inderrubável”, que decidiu largar o esporte ao entrar no colegial. Contudo, ele recebe um convite para integrar um clube esportivo. O esporte deles é um esforço colaborativo, onde jogadores trabalham em equipe para capturar e derrubar inimigos que invadem seu território – uma verdadeira “arte marcial” em movimento.

Primeiras Impressões

Shakunetsu Kabaddi é um anime com uma proposta interessante, é fiel ao seu título, explicando kabaddi em termos simples de uma forma que faz sentido na narrativa. O tom usado para expandir a narrativa da animação é gostosa de se assistir, logo é apresentado o aluno do primeiro ano Yoigoshi, ex jogador de futebol e primeiranista do ensino médio, que quer esquecer as suas atividades esportivas, pois estava farto de receber reclamações dos seus treinadores e decidiu se concentrar em sua paixão – transmissão ao vivo.

O primeiro episódio é incrível, pois como o protagonista, ele vai explicando de forma simples os termos e regras do esporte,  as introduzindo ao personagem principal e a nós também. Yoigoshi mora em um quarto no campus e não quer nenhum tipo de ligação com qualquer esporte, porém é incomodado por dois alunos que querem que ele entre para o time de futebol da escola, incomodado ele se desfaz dos alunos mandando ele em bora e em seguida aparece mais um aluno o chantageando participar de um jogo em troca de mais seguidores no seu canal.

Ao longo do caminho até a quadra temos uma explicação bem didática e bastante inteligente do esporte que soa interessante do jeito que o personagem Iruka descreve. No chegar na quadra é apresentado mais dois personagens e membros do clube de Kabaddi e o capitão que aparece de relance, pois esta hospitalizado não tendo muitas impressões na estreia, mas a presença dos principais jogadores são o suficiente para nos prender ao anime.

Te Peguei

O anime é envolvente e com personagens que cativam o espectador. Em período de olimpíadas no Japão, o Kabaddi como esporte é uma alternativa muito interessante para jogar no pós pandemia com os amigos, algo diferente que apesar com uma tradição milenar muito influente nos países como Bangladesh e Índia, uma mistura pega-pega, rouba-bandeira e rugby , que é empolgante e interessante. Provavelmente terá seus adeptos (o que acredito que já tenha) por terras do ocidente. Confira o trailer do anime abaixo:

Crítica | Burning Kabaddi: pega-pega em anime
  • Animação
    (4)
  • Enredo
    (3.5)
  • Trilha Sonora
    (5)
  • Personagens
    (4)
  • Desenvolvimento
    (4)
4.1

Sumário

O anime é envolvente e com personagens que cativam o espectador. Em período de olimpíadas no Japão, o esporte é uma alternativa muito interessante para jogar no pós pandemia, sendo a mistura perfeita de pega-pega, rouba-bandeira e rugby.

Pros

  • Engraçado, humor na dosagem certa.
  • Introduz muito bem o jogo
  • Personagens cativantes,
  • Ótima apresentações musicais

Cons

  • Só tem uma temporada até momento
  • O final é um pouco acelerado demais

Artigos Relacionados

Comentários