WINDOWOLOGY: Estudo de janelas no Japão

WINDOWOLOGY: Estudo de janelas no Japão é a nova exposição da Japan House São Paulo, que abre suas portas para visitação a partir de hoje, dia 29 de junho.

A exposição inédita traz um entreolhar sobre as diversas nuances de um assunto que só poderia ser tratado com a devida profundidade pela ótica do povo japonês, que com sua sensibilidade única e particular desafia nossa percepção. A exibição é concebida pelo Window Research Institute, uma instituição japonesa que realiza pesquisas sobre o papel das janelas no design, nas artes, literatura, arquitetura e relações sociais.

A importância e presença das janelas passa despercebido pela maioria de nós, mas durante a exposição, nossos instintos se aguçam pela presença das diversas manifestações em torno da janela, que ganham um tom especial, um olhar amplo para os diferentes aspectos do mundo material. À primeira vista o tema “janela” pode parecer simplório ou desinteressante, assumindo seu papel cotidiano em nosso contexto social, mas como o próprio curador da exposição afirma, em tempos atuais, cada vez mais se torna imprescindível, principalmente em momentos de reclusão social um olhar mais curioso, sobre o tema.

Os tempos de pandemia pedem novos olhares sobre a janela. Exatamente pelo fato de estarmos vivendo um  momento em que as pessoas permanecem mais tempo em suas casas, a janela estabelece a conexão entre o externo e o interno.

Igarashi Taro, curador

Por meio de nove categorias, a exposição propõe diversas leituras sobre a representação e presença da janela nos processos artesanais, em produções audiovisuais, na construção das casas de chás, na arquitetura contemporânea, nos mangás, na literatura e nas diferentes aplicações sobre os diversos ambientes japoneses em seus múltiplos formatos, que se refinaram, adaptando-se às necessidades das diferentes culturas ao longo da história.

Em cada uma das nove estações, se propõe uma imersão através de desenhos técnicos, maquetes, fotos, vídeos, materiais, mangás e obras literárias, que buscam mostrar aos visitantes a janela como um dos componentes mais fascinantes da arquitetura e do dia a dia de todos. A real experiência da exposição é apreciada em formas sutis, como as belíssimas interações do trabalho manual do artesão e a janela, que assume um papel de “coautoria” nos processos artesanais, sendo parte fundamental e implícita de um trabalho que necessita de luz, vento, calor e um ambiente propicio para que o produto final ganhe vida.

Foto: Marina Melchers / Nesses ambientes, elas possuem lugar de destaque, inserindo ou expulsando elementos como a luz, o vento, o calor, a fumaça e o vapor, que alteram características de materiais como argila, madeira, tecido e papel e até produtos para consumo, como nabos defumados e caquis secos.

“As janelas são repletas de simbologias e atribuições poéticas e valorizar algo que está ao nosso lado nem sempre é uma percepção imediata. Mas basta pensar nas consequências da sua ausência, especialmente em tempos de confinamento e isolamento, para entendermos o porquê de elas merecerem tanta deferência”.

Natasha Barzaghi Geenen, Diretora Cultural da Japan House São Paulo.

Ainda dentro das sutis percepções da exposição está um informativo e afetivo painel que faz um tour sobre os diferentes tipos de janelas existentes. É interessante notar que conhecemos ou já tivemos contato com todos os tipos mostrados, só que os mesmos passam despercebidos ao nosso olhar. Essa sessão traz até uma certa nostalgia ao lembrarmos de locais e situações os quais nos deparamos com um tipo de janela, ao qual podemos remontar uma lembrança, um momento ou um acontecimento. O som de fundo que simula o abrir e fechar atua ainda mais no despertar de memorias afetivas ligadas as experiências sensoriais. Afinal quem não lembra do som de uma janela se abrindo e fechando, seja por frio, calor, alivio, reclusão, discussão ou consentimento.

Foto: Marina Melchers / Seus diferentes tipos e movimentos, sua posição de destaque em ambientes e histórias, revela sua potência, capaz de conectar o externo e o interno, permitir entrada de luz e ar nos ambientes, proteger do frio e da chuva e fazer com que seja possível observar o outro, a natureza e o movimento das cidades e das pessoas. Essa parte da exposição explora o papel fundamental na interação com as forças da natureza, a luz, vento e o calor.

Outra perspectiva interessante que a exposição traz é o papel relacional que a janela propõe entre as pessoas e situações. Para isto mangás, obras literárias e fotos de cidades estão expostas demonstrando a importância e os diferentes usos, aplicações e interações que este entre espaço possui em nossa cultura. Conectando pessoas, histórias e sentimentos.

Foto: Marina Melchers 

Para Igarashi Taro, curador da mostra, além de seu valor histórico e arquitetônico, as janelas desempenham papel sem igual durante uma crise, por permitirem que as pessoas possam compartilhar esperança e gratidão de forma única. Afirma dando exemplos como “Ir até a varanda cantar ópera para os vizinhos, mandar mensagens de agradecimento aos profissionais de saúde e passar objetos pela janela para garantir o distanciamento social”.

Por fim, completando o viés arquitetônico, está o coração da exposição, bem ao centro do local a uma maquete em escala real (escala 1:1) de Yōsuitei, denominado também de Jûsansōnoseki (sala de 13 janelas), uma casa de chá que possui o maior número de janelas. A obra chama atenção por seu realismo (feita de papel artesanal japonês washi), tamanho e a possibilidade de uma interação direta, que resume toda os aspetos revelados durante a exposição.

Foto: Marina Melchers

A maquete possui diversas “janelas”, que dão diferentes olhares e posições para público, daquilo que se passa dentro da casa chá, do outro lado da janela. É como um “espiar”, um olhar curioso que se completa com o jogo de sombras e luzes incidentes dos vários ângulos da convidativa casa de chá.  A experiência leva o observador para um verdadeiro ambiente tradicional, onde o externo e interno, a troca de ações, olhares, emoções e histórias se conectam, tudo pelo mágico mundo das janelas. (Embora chame muito atenção, aconselho a deixar esta atração por último, após ter absorvido as nuances que as demais estações propõe).

Vale ressaltar a preocupação da curadoria em relação a acessibilidade da exposição. Em todos os painéis e estações há um QR code que permite a tradução em Libras dos painéis explicativos, bem como no inicio da exposição um painel que possui uma maquete em escala menor da Yōsuitei, a casa chá, com informações em braile.

Foto: Marina Melchers

Recomendo a todos que tiverem a oportunidade, visitar a exposição e experienciar, de forma particular, como um espiar pela janela, todos os pontos que destaquei acima.

A essência atemporal da janela reside no modo como ela tem um lado prático e, ao mesmo tempo, convida à imaginação poética.

Tsukamoto Yoshiharu

Sobre o Window Research Institute

O projeto de pesquisa WINDOWOLOGY faz parte das atividades do Window Research Institute [Instituto de Pesquisas sobre Janelas] e se baseia na crença de que as janelas refletem a civilização e a cultura ao longo do tempo. Esse instituto dedica-se a contribuir para o desenvolvimento da cultura arquitetônica mediante a coleta e disseminação de uma vasta gama de ideias e conhecimentos sobre janelas e arquitetura, por meio do apoio e organização de iniciativas de pesquisa e projetos culturais. Nos últimos 10 anos, além de diferentes frentes de estudo, o Instituto também vem desenvolvendo projetos internacionais que englobam temas relacionados a arquitetura, cultura e artes, com a colaboração de diferentes instituições de pesquisa, museus e órgãos privados, entre outros.

Sobre o curador

Igarashi Taro é Doutor em engenharia, historiador, crítico de arquitetura e leciona na Universidade de Tohoku, em Sendai, no Japão. Foi curador do Pavilhão japonês na Bienal de Veneza, em 2008 e atuou como diretor artístico da Trienal de Aichi, em 2013.

Site: https://madoken.jp/en

Informações 

Japan House São Paulo – Avenida Paulista, 52
Site: https://www.japanhousesp.com.br/
Horário de funcionamento: Terça-feira a Domingo, das 11h às 16h
Entrada gratuita
***Devido ao coronavírus, a entrada está com capacidade reduzida. Para mais informações, acesse o site da Japan House São Paulo.***

“WINDOWOLOGY:Estudo de janelas no Japão”
Período: De 29 de junho a 22 de agosto
Segundo andar
Reserva online antecipada (opcional): https://agendamento.japanhousesp.com.br/
*A exposição conta com programação paralela online e conteúdos compartilhados por meio das redes sociais da Japan House São Paulo e, depois de passar por São Paulo, segue para Japan House Londres ainda este ano.

Artigos Relacionados

Comentários