O que significa ser um mangá shounen?

Conforme começamos a adentrar o mundo dos mangás, vamos nos deparar com uma série de conceitos novos, e um deles é o que vem se chamando de demografia: a separação do estilo de obra de acordo com o gênero e idade do público leitor almejado. As demografias mais conhecidas são shounen, que são mangás dirigidos a meninos, shoujo que são mangás voltados para meninas, e para leitores jovens adultos temos seinen (público masculino) e josei (público feminino). Mas o que marca a diferença entre tais demografias? Quando se pensa em separações de acordo com idade, é mais simples formular uma resposta: a diferença dá-se principalmente pelas temáticas consideradas maduras, pela idade do protagonista, e, em especial no caso dos seinen, por uma maior explicitação de sexo e violência. Entre os mangás shounen e shoujo, a diferença, contudo, não está  em um predomínio do que se pode pensar como “assunto de menino” e “assunto de menina”, pois existem importantes singularidades na composição dos personagens, do enredo e da narrativa visual, e são justamente tais características únicas que iremos abordar neste artigo.           

Títulos como Dragon Ball, Saint Seiya, Naruto, são alguns dos  publicados na revista semanal  Weekly Shonen Jump, da editora Shueisha, que é atualmente a mais vendida no Japão, tendo chegado a comercializar mais de 7.5 bilhões de cópias desde a sua primeira edição, em 1968, e se dedica a publicar mangás shounen. Mas, afinal, o que significa ser um “mangá para meninos”? O que os torna tão diferentes dos demais ao ponto de conquistarem uma quantidade tão grande de leitores?

O Protagonista Shounen e seus companheiros

Imagem/Divulgação – One Piece/Eiichiro Oda

Os mangás shounen geralmente têm como protagonista um menino, entre 10 e 17 anos, que possui um sonho a ser realizado. Essa ambição pode ser qualquer coisa: tornar-se o rei dos piratas, o ninja mais forte, descobrir a verdade do mundo, superar um rival, etc. O personagem principal, contudo, não nasce provido daquilo que é necessário para alcançar a sua meta, pelo contrário, diversas vezes é falho naquilo que almeja. Esse perfil de protagonista permite com que os leitores se identifiquem com meninos simples e “comuns” que têm sonhos a serem realizados, ainda que muitas vezes em mundos e realidades completamente diferentes das suas. Podemos encontrar protagonistas femininas em mangás shounen, contudo elas são acompanhadas, ao longo da história, por algum personagem masculino que será essencial para o seu amadurecimento/crescimento.

Será por meio do trabalho duro, da sua força de vontade e da ajuda dos seus companheiros que ele se desenvolverá e se tornará, enfim, um herói. Esta é a principal característica dos protagonistas shounen: a persistência e a busca pela realização do seu sonho. Eles mostram-se, também, muito humanos e sinceros na expressão de suas emoções e desejos, sendo naturais cenas em que personagens masculinos choram de forma copiosa ou demonstram sentimentos por amigos que sejam do mesmo gênero, o que em muitas culturas ainda é considerado um tabu. Nos mangás shounen,  meninos choram e isso não é visto como fraqueza, pelo contrário, é a expressão das emoções sinceras dos personagens. 

 Romances ou sentimentos românticos estão presentes nas obras shounen, mas o modo com que esse tipo de relacionamento se manifesta é muitas vezes como um alívio cômico ou, quando apresentado como um sentimento sério, o aspecto que prevalece é o de como essa relação vai ajudar/motivar na realização do sonho do protagonista e não costuma se expressar de forma física explícita, mantendo-se no plano emocional até a conclusão da obra que pode terminar com uma passagem de tempo que apresenta o futuro do personagem no qual ele formou uma família, teve  filhos, etc.  

Outro ponto interessante é o fato de que, apesar do crescimento e do acúmulo de força/poder e experiências, os personagens principais se mantém garotos na sua essência inocente, otimista e brincalhona. Mesmo em mangás em que ocorrem uma grande passagem de tempo, em sua idade adulta, o protagonista continua com suas qualidades juvenis. Um exemplo é o Goku (Dragon Ball) que mesmo casado, com filhos, praticamente continua o mesmo em questão de comportamento o que, inclusive, muitas vezes causa pequenos conflitos com sua esposa Chi Chi, que o considera irresponsável. Desse modo, a conexão do leitor com o protagonista não se desfaz apesar do amadurecimento físico do herói.

Outro aspecto importante na formação do protagonista será, também, a relação dele com os seus rivais e os seus antagonistas. É importante marcar bem a diferença entre ambos: os rivais são os personagens que competem por objetivos semelhantes aos do personagem principal, então não há uma relação de raiva (ainda que possa existir certa hostilidade) ou ódio, pelo contrário, às vezes, eles são os que melhor conseguem entender os sentimentos e motivações dos protagonistas, umas vez que são quase um reflexo dos seus próprios enquanto que os antagonistas tendem a ser e a desejar o oposto dos heróis. A diferença não está na questão de quem é o mais forte e habilidoso ou quem representa o bem ou mal absolutos, o embate dá-se entre os valores e ideologias entre tais personagens e há, inclusive, obras em que acontece uma grande aceitação do público por personagens que conseguem expressar certos sentimentos obscuros, mas que todos nós compartilhamos, pois eles podem transmitir uma amplitude de emoções mais realistas do que apenas a bondade inabalável do protagonista, quando o mesmo não é bem construído. É importante que o personagem principal tenha falhas e que ocasionalmente “se dê mal” por elas, pois no mundo real é assim que os meninos são, e é assim que os leitores conseguem se identificar com o personagem.

O herói shounen é aquele que consegue reunir as pessoas ao seu redor devido ao seu carisma e a sua forte presença de espírito, ele é alguém que queremos ter por perto, pois é divertido, seu sonho/ambição é cativante e ele é um amigo leal que jamais irá abandonar seus companheiros. Os protagonistas tendem a começar a sua aventura sozinhos e com a evolução da história vão ganhando nakamas, palavra em japonês que tem um sentido muito profundo de alguém com quem se tem um laço bastante íntimo e forte, eles têm uma grande participação no crescimento do herói, pois é com a ajuda deles ou pelo desejo (necessidade) de protegê-los que o protagonista superará os seus limites e desenvolverá novas habilidades. Como mencionado, outros relacionamentos estão presentes, mas o ponto é que no shounen ela é o “relacionamento protagonista”, um elemento essencial para a ascendência do personagem principal. Ao mesmo tempo em que novos personagens aparecem e se agregam ao protagonista na sua vontade de ajudá-lo a crescer, os leitores também vão se envolvendo com todos eles, como se fosse possível participar dessa relação de amizade e o desejo de acompanhar a história e a trajetória do seu protagonista se mantém, sendo essa uma das razões que justifica a manutenção do público leitor, mesmo quando uma obra se estende por anos, afinal amigos não abandonam uns aos outros em meio uma jornada, certo?

Enredo: Shounen é mangá de lutinha?

Imagem/Divulgação – One Piece/Eiichiro Oda

O mangaká (escritor de mangá) Hirohiko Araki, autor do aclamado mangá Jojo’s Bizarre Adventure (JoJo no Kimyo na Boken no título original), apresenta que a resolução básica de um mangá pode ser resumida na estrutura ki-shou-ten-ketsu, ou introdução (ki), desenvolvimento (shou), mudança/virada (ten), e resolução (ketsu). Em cima dessa construção, infinitas variações podem nascer. Por exemplo, pode haver o ki-shou-ten-ten-ten-ten-ten-ketsu, no qual o protagonista enfrenta diversos obstáculos consecutivamente ou também ketsu-ki-shou-ten onde temos o final revelado no começo da história. O importante é que em cima desse esqueleto os autores colocam sua originalidade de modo que as suas histórias não sejam meras cópias de obras já aclamadas, ou seja, há um modo semelhante de desenvolvimento entre os mangás, contudo, a capacidade de criar mundos e personagens envolventes e diferentes entre si se sobrepõem promovendo experiências e conexões novas aos leitores.

Uma característica marcante nos mangás shounen é a presença de conflitos. Pode ser uma história sobre esportes, sobre se tornar um escritor de mangás ou até mesmo culinária, os mangás para meninos sempre apresentarão batalhas que costumam ser físicas, mas que também podem ir para o campo psicológico/subjetivo. Essas batalhas, contudo, não são aleatórias, elas não acontecem apenas para trazer ação e dinamicidade a história, mas  têm o objetivo de conduzir o protagonista ao seu contínuo crescimento e rumo ao seu objetivo. Por isso, derrotas podem acontecer, mas elas não irão quebrar o espírito de luta do personagem principal, pelo contrário, serão um dos exemplos de superação e da determinação do mesmo, além de contribuir para o seu desenvolvimento, fornecendo um conhecimento acerca de si, das suas fraquezas, de modo que ele possa evoluir e obter a vitória última. Esta é outra das facetas da construção dos mangás shounen: os personagens estão sempre seguindo em frente, em uma trajetória ascendente, ainda que repleta de sacrifícios e de dificuldades. 

A já mencionada revista Weekly Shonen Jump possui  um conjunto fundamental de princípios narrativos ou valores baseados em: yûjo [amizade], doryuko [esforço e perseverança] e shoori [vencedor ou vitória]. Apesar de ser uma política editorial da Shueisha, podemos perceber que eles não se limitam às histórias da editora, mas permeiam o enredo de diversas obras shounen que retratam, justamente, a superação das fraquezas do protagonista e como ele vai conquistando, passo a passo, as habilidades necessárias para a materialização dos seus objetivos com a ajuda dos seus companheiros. Batalhas são importantes, mas não são exclusivas dos mangás shounen, pois estão presentes em mangás shoujo, ainda que assumindo um outro aspecto, e aparecem retratadas até com mais visceralidade nos mangás seinen. Ao se afirmar que shounen é apenas um mangá de luta, se reduz todo um estilo e uma construção narrativa a um dos elementos que constituem a história. Shounen é sobre conquistar a liberdade tanto de limitações internas quanto externas, é sobre desenvolver relacionamentos de lealdade e proteção, é sobre superar a si mesmo e não apenas aos seus rivais e inimigos, é justamente realizar que lutar pelo que se sonha é muito mais do que trocar golpes, é, mesmo com obstáculos, sempre seguir em frente. 

Conclusão

Até agora  foram apresentadas algumas das características referentes à construção do personagem e do enredo dos mangás shounen, e é importante reforçar que sempre existirão exceções justamente pela originalidade também ser uma das características dos mangás. Na próxima parte desse artigo, iremos explorar a parte visual dos shounen, pois, sim, é possível só de folhear algumas páginas, mesmo sem ler o conteúdo, saber se estamos lendo mangá shoujo ou shounen, e  essas diferenças são justamente um  atrativos importante do estilo, e concluiremos refletindo sobre quem atualmente é o público leitor dos mangás shounen.

Referências

ARAKI, Hirohiko. Manga in theory and practice: the craft of creating manga. 1. ed. San Francisco: Viz Media LLC, 2017.

GRAVETT, Paul. Mangá: como o Japão Reinventou os Quadrinhos. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2006. 182 p.

MACWILLIAMS, Mark Wheeler. Japanese visual culture: explorations in the world of manga and anime/ edited by Mark W. MacWlliams. New York: M.E. Sharp, Inc. 2008. 352 p. 

MAZUR, Dan; DANNER, Alexander. Quadrinhos: História Moderna de uma arte global. São Paulo: Martins Fontes, 2014. 320 p.

SCHODT, Frederik L. Manga! Manga!: The World of Japanese Comics. 2012. ed. rev. e atual. New York: Kodansha USA, Inc, 2012. 256 p. 

Sites

一般社団法人 日本雑誌協会

Disponível em:< https://www.j-magazine.or.jp/user/printed2/index>, Acesso em: 10 de maio 2021

Artigos Relacionados

Comentários