Saga Metroid: uma das joias do universo Nintendo

Quando falamos em jogos e personagens da poderosa Nintendo, os primeiros a serem lembrados são Mario (1985) e sua trupe, os adoráveis monstrinhos de bolsos conhecidos como Pokémon (1996) e, claro, Link que não é o Zelda (1986), mas sempre está a postos para ser o herói e salvar o reino de Hyrule de qualquer ameaça.

A Saga Metroid é um título da gigante japonesa que chama pouca atenção de jogadores casuais, porém a série é aclamada entre muitos nintendistas e considerada uma das favoritas entre os “speedrunners”.

Mas, qual a importância da Saga Metroid para a indústria mundial de jogos? Enorme!

Junto com a Saga Castlevania, da produtora Konami, que teve seu primeiro título, também, lançado em 1986, um novo estilo de jogo foi criado – o Metroidvania.

Metroidvania – o subgênero que revolucionou os jogos sidescrolling

Os jogos classificados como Metroidvania são caracterizados por algumas especificidades: estilo plataforma “sidescrolling” em 2D; mapas grandes interconectados com partes limitadas por obstáculos; atalhos e áreas secretas; níveis de dificuldades dos inimigos misturados independentes da progressão dos jogos, não existem fases a serem conquistadas.

Todos esses elementos fazem parte da jogabilidade não linear. A intenção é levar os jogadores a explorarem e experimentarem os ambientes. Enquanto encontram novos poderes, equipamentos e habilidades.

Montagem Metroidvania / Juni Sanches em Gameblast

O primeiro jogo do universo Metroid foi lançado em 1986 para o console Nintendo Entertainment System (NES), desde então a caçadora de recompensas Samus Aran tem se aventurado na galáxia ao serviço da Federação Galáctica enfrentando Mother Brain, Kraid, Ridley, entre outros terríveis Piratas Espaciais que buscam capturar os Metroids (seres altamente agressivos, sem predadores naturais no universo Metroid, considerados o topo da cadeia alimentar) para transformá-los em armas biológicas e dominar a galáxia.

Com a evolução dos console e tecnologias dos videogames, em 2002 a saga deu início a série Metroid: Prime no console Game Cube, seguido por duas continuações em Echos (2004) e Corruption (2007) formando uma trilogia, na qual os fãs aguardam ansiosamente por continuidade. Dentro do canon da saga, a trilogia acontece entre os eventos do Metroid original (1986) e do jogo Metroid II: Return of Samus lançado para o console Game Boy em 1992.

O diferencial da série Prime esta na jogabilidade, alternando entre primeira pessoa e terceira pessoa em um ambiente de exploração 3D.

Metroid Prime / Gameplay Nintendo Wii / Screenshot

Samus Aran

Nascida no ano cósmico de 2000, Samus Aran é uma caçadora de recompensas e a protagonista da série. Sua identificação com a fanbase da saga é tão grande, que ela ganhou nos anos de 2003/2004 mangás dedicados a contar sua história de origem. A publicação das graphic novels foram lançadas em dezesseis capítulos divididos em dois volumes adaptados e baseados nos acontecimentos dos jogos e nos elementos descritos em The Super Metroid Comics, história em quadrinhos lançada nos volumes 57 ao 61 da revista Nintendo Power em 1994, uma narrativa estendida das falas e acontecimentos do jogo Super Metroid, lançado no mesmo ano, para o console Super Nintendo Entertainment System (SNES).

Capas dos Mangás Metroid Vol. 1 e 2 em Metroid Fandom

Metroid Dread – E.M.M.I e o temor na solidão do espaço

Em 2021, marcando os 35 anos da franquia, a saga ganhou seu décimo quarto título – Metroid Dread para o console Nintendo Switch. E, não foi só isso! Não demorou muito e Dread foi eleito Melhor jogo de ação/aventura do ano pela The Game Awards e Melhor jogo Nintendo do ano pela Golden Joysticks Awards, apenas a cerimônia de premiação de jogos eletrônicos (videogames e computador) mais antiga do mundo!

Em um ano no qual a Nintendo lançou títulos como: Mario Party Superstars, Pokémon Brilliant Diamond e Shinning Pearl; isso quer dizer alguma coisa sobre a obra prima desenvolvida pela equipe espanhola da MercurySteam.

Os quatorze jogos da saga são compostos por uma história repleta de ação, aventura, mistério, terror e ficção científica ao mais puro suco do lindo estilo narrativo space opera tão marcado em produções como Cowboy Bebop, Outlaw Star, Space Dandy, Cosmo Warrior Zero… melhor parar, estou ficando nostálgico demais!

Se você, assim como eu, tem paixão por jogos da Nintendo, pelos gêneros ficção científca space operas... vale a pena conferir esse título e mergulhar no universo Metroid!

See you in the next mission!

Artigos Relacionados

Comentários