Síndrome do coração partido: a morte pela tristeza

Quem nunca presenciou um momento em que nosso coração parece ser arrancado do peito, seja na vida real ou na ficção? Quem não se lembra de momentos icônicos da cultura pop como a princesa Padmé adoecendo e morrendo devido à sua profunda tristeza em Guerra nas Estrelas? Dos anti-espirais em Gurren Lagann, que tentam levar a humanidade à extinção por meio da perda da esperança? Esta alegoria dramatúrgica também conhecida como uma representação televisiva de morte por desespero ou tristeza na verdade é um problema bem real!

Esse problema se chama de “cardiomiopatia de Takotsubo” ou “síndrome de Takotsubo”, também conhecida como “cardiomiopatia de estresse’‘. Esta doença cardíaca normalmente aparece após um grande estresse físico ou emocional; neste último caso, ela também é conhecida como “síndrome do coração partido’‘. Essa condição já apareceu em alguns animes! Um exemplo é a Patrulheira Espacial Luluco (em japonês: 宇宙 パ ト ロ ー ル ル ル 子 (grafia original) ou Uchū Patorōru Ruruko (romanização). Esta série criada por Hiroyuki Imaishi e produzida pelo Studio Trigger está disponível atualmente no serviço de streaming Crunchyroll. Mais especificamente, essa situação acontece durante a quarta temporada, nos episódios 10 e 11, portanto fiquem atentos pois teremos alguns SPOILERS a seguir!

O anime acompanha a história de Luluco, que vive uma vida que ela considera “anormal” em Ogikubo, uma área residencial de Tokyo que se tornou um aglomerado intergaláctico de humanos e alienígenas, e a única Zona de Imigração Espacial na Terra. Essa menina de 13 anos e estudante do ensino fundamental tem um grande sonho: ser normal. Contudo, nem a vida e nem a trama permitem que seu desejo se torne realidade: uma coisa leva à outra, e ela acaba sendo recrutada para trabalhar na Patrulha Espacial, onde encontra seu primeiro amor, AΩ Nova.

Junto com seu novo parceiro e outros personagens que se unem a ela nos 13 episódios, divididos em cinco temporadas de histórias curtas, Luluco segue em suas aventuras. A protagonista se apaixona por AΩ Nova — a famosa paixonite adolescente, o primeiro amor — mas o garoto, próximo ao fim da série, acaba por traí-la, arrancando e partindo seu coração de tal forma que a leva à morte, literalmente. Contudo, logo no próximo episódio ela ressuscita graças ao poder da justiça!… e do amor; algo que, infelizmente, não aconteceria na vida real.

Esse retorno triunfal, apesar de ficção, não é algo tão distante da realidade: a melhora do quadro e a recuperação são praticamente totais se seguidos os cuidados médicos, não deixando sequelas e sendo raro ocorrer novamente na mesma pessoa. Esta condição, no entanto, não é nada glamourosa, apesar de muito romantizada nas telas: cerca de 2 a 3% dos infartos do coração ocorrem devido a ela, afetando principalmente mulheres na pós-menopausa: essa população representa 90% dos casos! A doença cardíaca em questão gera um enfraquecimento temporário e súbito de parte da musculatura do coração, e faz com que esse órgão assuma a forma de uma armadilha de polvo, dando à síndrome o nome de “takotsubo” (romaji) (たこつぼ (hiragana); 蛸壷 (kanji)) — “armadilha de polvo”, em japonês, país o qual a descreveu pela primeira vez. Adicionalmente, como observado na série a traição é um dos possíveis fatores emocionais, assim como o luto, um divórcio ou uma perda do emprego.

Imagem/Divulgação: à esquerda, na figura A, o esquema mostra um coração normal; à direita, na figura B, um esquema do coração apresentando Cardiomiopatia de Takotsubo (HEUSER, 2006).
Imagem/Divulgação: à esquerda, a figura A mostra um coração apresentando Cardiomiopatia de Takotsubo; à direita, em B, uma armadilha de polvo japonesa (takotsubo), objeto que dá o nome à síndrome (CESÁRIO, LOUREIRO & PEREIRA 2012).

Curiosamente, hoje em dia, pesquisas apontam que essa condição pode ser desencadeada não só por eventos negativos intensos! Emoções positivas, se fortes o suficiente, também podem alterar a estrutura cardíaca e causar a síndrome, o que aponta que os caminhos emocionais da felicidade e da tristeza podem ser mais semelhantes do que imaginamos! A ciência ainda encontra alguns mistérios nessa doença; por exemplo, a mudança na estrutura do coração nessa condição é diferente dependendo da origem do estresse emocional, feliz ou triste. De qualquer maneira, essa síndrome é relativamente rara, mas tomem cuidado com o seu coração e os dos outros!

Co-autor do artigo:  André Almo

Referências

AKASHI, Yoshihiro J.; NEF, Holger M.; LYON, Alexander R. Epidemiology and pathophysiology of Takotsubo syndrome. Nature Reviews Cardiology. Nature Publishing Group, 2015. DOI: 10.1038/nrcardio.2015.39. 

BUCHHOLZ, Stefan; RUDAN, George. Tako-tsubo syndrome on the rise: A review of the current literature. Postgraduate Medical Journal. The Fellowship of Postgraduate Medicine, 2007. DOI: 10.1136/pgmj.2006.052423.

GHADRI, Jelena R. et al. Happy heart syndrome: role of positive emotional stress in takotsubo syndrome. European Heart Journal, [S. l.], v. 37, n. 37, p. 2823–2829, 2016. DOI: 10.1093/eurheartj/ehv757.

GUPTA, Sanjiv; GUPTA, Madan Mohan. Takotsubo syndrome. Indian Heart Journal. Elsevier B.V., 2018. DOI: 10.1016/j.ihj.2017.09.005.

PELLICCIA, Francesco; KASKI, Juan Carlos; CREA, Filippo; CAMICI, Paolo G. Pathophysiology of Takotsubo Syndrome. Circulation. Lippincott Williams and Wilkins, 2017. DOI: 10.1161/CIRCULATIONAHA.116.027121.

Artigos Relacionados

Comentários